«É como extraír ordem do caos tirando o proveito máximo da nossa imaginação e dos nossos talentos. Vamos, por exemplo, a um hospital, e vemos duplicações de trabalhos, erros humanos, desperdícios de tempo que podem custar vidas, diagnósticos honestos, mas incorrectos, que uma máquina pode corrigir numa questão de segundos, Médicos cheios de trabalho a consultar fichas quando podiam estar a aliviar sofrimento... e, num instante, instalamos um sistema e temos o prazer de ver tudo encaixar no seu lugar, tudo funcionar, e sabemos que foi obra nossa. (...) Pelo mais simples dos métodos, libertamos pobres escriturários atormentados de milhares de horas de enfado. (...) torna a humanidade mais humana e não menos.»

Irwin Shaw, in “Bread upon the waters”, 1981